Olhos da Verdade |

Olhos da Verdade
Por Jornalista Guilherme Kalel

Lançado em 15 de setembro de 2020, este é o mais novo trabalho de Guilherme Kalel.
E conta a historia do deficiente visual e jornalista britânico, Oliver Kenon.
No livro, o Jornalista está no meio de uma investigação, para tentar desvendar os mistérios por trás da morte de uma parlamentar.
No caminho dessa investigação, ele está acompanhado por Carolina Beatrice.
Uma jovem mulher que é Assessora da deputada morta, e que embarca na jornada junto a Kenon, por Justiça.
Os dois acabam se apaixonando, mesmo com Carolina sendo noiva, e isso deve trazer outros contornos para a historia.
Mais informações sobre o livro, podem ser adquiridas em sua página oficial.
basta acessar aqui

O livro é comercializado em dois formatos.
Aplicativo Digital para Android, ao custo de R$ 20,00.
Ou Áudio, ao custo de R$ 30,00.
Esses valores são nas vendas antecipadas, de 18 de agosto a 5 de setembro.
Após o lançamento oficial da obra, os valores serão reajustados.

Quem quiser, pode aproveitar a oportunidade e adquirir agora o seu exemplar.
Para isso basta acessar ao site Informe Post, e efetuar sua compra.
Quem preferir, acessa clicando aqui

É importante salientar.
Retirados os custeios de produção, os recursos arrecadados com a venda do livro, serão usados para a compra do medicamento Sorilis.
Para portadores de HPN.
O projeto Somos Raros, do Instituto Melissa Elisa, mantido pelo Informe Post, atende 6 pacientes com este problema, entre eles Guilherme Kalel.
O medicamento é de altíssimo custo, e por isso precisa de campanhas como estas para que as pessoas que precisem tenham acesso a ele.
Guilherme Kalel e outros 5 pacientes, necessitam do uso contínuo da droga.
Que é importada e um dos remédios mais caros do mundo.
Ela trata a HPN, uma condição de saúde onde os glóbulos vermelhos do sangue são destruídos,
acabando com os mecanismos de defesa do paciente.
Assim, surgindo infecções e anemia Hemolítica.
Além de outras complicações.

A doença não tem cura, e a Sorilis é a única medicação capaz de estabiliza-la.
Mas não é coberta pelos procedimentos de saúde do governo federal.
Ainda que algumas pessoas entrem na Justiça, não é garantido que o governo ceda as medicações.