Ações do G7 ainda não vendidas

Por Jornalista Guilherme Kalel

13/02/2020

No último 7 de fevereiro, coloquei uma oferta pública por 10% de minhas ações do G7.
Na oportunidade pedi, R$ 10 Mil por elas, um valor abaixo dos R$ 12 Mil que valem.
E parcelaria o valor sem juros se alguém se interessasse.

Nos moldes que lancei, não tive propostas.
Mas algumas pessoas fizeram contrapropostas que eu fiquei de estudar.
Depois de um estudo aprofundado, pude perceber que essas propostas não me atenderiam.
E como não consegui chegar num meio termo com os interessados, cancelei a oferta em 12 de fevereiro sem uma venda concretizada.

Estudo se agora, lanço nova oferta ou se desisto da venda.
Mas ainda estou aberto a propostas, se nesse tempo alguém quiser propor algo.
Continua sendo os 10% de ações a venda.

Muitas pessoas me perguntaram, por que Melissa Collins, conseguiu vender rapidamente os 25% de ações dela.
Respondo que, ela fez uma negociação diferenciada.
O recebimento do valor que ela pediu, só vai acontecer dentro de 30 dias.
Além disso, ela vai embora do Brasil para iniciar um trabalho fora, pela Onor Prevent.
O que justificou querer se desfazer de negócios que tinha investido no Brasil.
Esses fatores levaram a médica, a sair do G7, deixando a Jornalista Mariana Novis, com 20% de suas ações.
E sua prima, Ana Paula, com outros 5%.
O pacote que tenho a venda é um valor menor e menor índice acionário.
Mas ainda sim trás vantagens para quem adquirir.

Bolsa de colaboração de R$ 500,00 mensal.
Participação limitada de 10% aos lucros anuais divididos do site, para seus proprietários.
O valor, é divulgado em outubro, e recebido entre outubro e dezembro de cada ano.
Outras vantagens também estão dentro do pacote.