E uma década se passou

Por Jornalista Guilherme Kalel

25/08/2020

Uma década.
Neste 25 de agosto, completa exatamente uma década que estou aqui, sem a tua presença todos os dias na minha vida.
Presença física, porque em pensamentos, no meu coração, o Sr. sempre esteve e estará.
Mas não parece, e uma década se foi.
Muitas coisas aconteceram desde então, e haviam tantas coisas que eu queria lhe dizer.
Haviam inúmeros momentos de minha vida, que gostaria de dividir contigo.
Mostrar a formação de minha família,
a minha evolução como homem, como pai, como ser humano.
Minha evolução como Jornalista, a carreira que eu escolhi.
Os livros que eu escrevi, as poesias que tanto gostava de me ver recitar.

Uma década se foi.
Não parece mas se foi.
10 anos daquele 25 de agosto, que mudava a minha vida para sempre, e que abria um buraco dentro de meu peito, que nunca mais ia se fechar.
Hoje, o que me descreve bem seria dizer:

“Essas feridas parecem não querer cicatrizar,
Essa dor é muito real,
Há simplesmente tantas coisas que o tempo não pode apagar.”
Trecho traduzido da música “My Immortal” de Evanescence.
Sempre presente na minha historia, essa música nunca fez tão sentido como hoje.
Porque descreve, bem o que sinto agora.

O Sr. foi sempre muito mais que um avô na minha vida,
nunca vou cansar de repetir e de agradecer, por isso.
Exatamente quando em prantos fiz, quando tive de me despedir.

10 anos,,
Uma vida se passou,
Muita coisa aqui mudou,
mas nada a paga a dor de estar sem você.
10 anos,
Coração ainda chora, sangra e parece não parar,
Em cada vez que me recordo, que não posso te encontrar,
Não escuto mais a sua voz aqui comigo,
não te vejo ao acordar,
Eu choro escondido,
a saudade e a vontade de poder te abraçar.

10 anos,
Que se foram como um raio,
insistiram em passar,
aumentando a ausência, a saudade,
bobo de quem achou que isso fosse diminuir ou passar.

10 anos,
sem a tua presença,
sem contigo poder falar,
e hoje aperto meu filho contra o peito,
a melhor e minha única forma de mais perto de ti poder estar.
Queria que estivesse aqui,
que pudesse ver,
o destino quis diferente, separou eu e você.
Separados pela vida e a morte, nunca pelo amor,
que segue vivo e mais forte,
que nunca se apagará meu avô.